Percursos Pedestres

Ao longo dos tempos os percursos pedestres em meios naturais têm demonstrado um crescente interesse na população local, nacional e internacional, no âmbito cultural, histórico ou paisagístico. O Município de Lamego apesar de ainda estar numa fase inicial da Rede Municipal de percursos pedestres já usufrui de seis percursos de pequena rota (PR), que abrangem todo o concelho envolvendo ambientes urbanos naturais e rurais. Pretende-se assim dinamizar a população fomentando o conhecimento da área local para que não sejam desvalorizados os recursos naturais e socioculturais, promovendo a conservação do património viário tradicional.

Percursos Pedestres

Os percursos, que se encontram sinalizados de acordo com as normas internacionais de pedestrianismo, estão também integrados nas Rotas Pedestres do Norte de Portugal reforçando o enquadramento do interior no turismo de evasão e aventura. Estes podem ser realizados sem o recurso a um guia especializado, pois dispõem de um topoguia desdobrável que contém a ficha técnica do mesmo, a cartografia, o regulamento, o perfil altimétrico e uma descrição sucinta do património visível, natural e cultural, ao longo do trilho. Percorrer as áreas selecionadas por trilhos e caminhos possibilita o contacto in loco com a fauna e flora, permitindo o desenvolvimento de atividades tradicionais e ir ao encontro do progresso sustentável turístico e económico, potenciando o artesanato, produtos tradicionais, alojamento e restauração.

O percurso pedestre da Serra das Meadas inicia-se na cidade de Lamego envolvendo e reportando o caminhante para a época dos romanos e para a conquista de Lamego aos mouros por Fernando Magno, em 1057. Este tem uma vertente essencialmente cultural e histórica, não descorando o vastíssimo património geomorfologico.

Percursos Pedestres

O percurso do Vinho do Porto abrange uma área de vinha que ao longo dos vários séculos foi sendo moldada pelo Homem, para dela extrair o melhor néctar da terra, o tão afamado Vinho do Porto, outrora conhecido como vinho “cheirante de Lamego”. Ao percorrer este trilho deparamo-nos com diversas casas solarengas, que comprovam o património cultural vastíssimo e importante da freguesia de Samodães, classificado pela UNESCO como Património Mundial desde 2001.

O percurso de Terras de D. Pedro Afonso caracteriza-se pelas deslumbrantes paisagens agrestes de Lazarim, Lalim, Melcões e Meijinhos que em tempos foram palco de trovas de amor de D. Pedro.

O percurso da Anta de Mazes é de todos o mais rural e turístico, pois possui na sua agradável paisagem os campos cultivados e a aldeia denominada de Aldeia de Antas, que envolve um aglomerado de casas rústicas com telhados de colmo, feitas outrora pelos pastores.

Percursos Pedestres

Outro dos percursos pedestres é o de Balsemão, onde as margens do rio Varosa embelezam a arquitetura geológica e natural, podendo fazer-se a observação de aves. Durante o percurso é visível a famosa “ Sala de Audiências do Diabo “ mencionada no Roteiro de Pina de Morais, ilustre lamecense, natural da freguesia de Valdigem. No percurso das “Máscaras de Lazarim” o caminhante além de contactar com um dos mais imponentes trilhos culturais e peculiares da região, tem a oportunidade de apreciar um dos mais belos carnavais, senão o mais genuíno de Portugal, denominado o “Entrudo de Lazarim”, famoso pelas máscaras trabalhadas em madeira de amieiro, onde as tradições se preservam no tempo.

Lamego tem todo o potencial para merecer a sua visita e caminhar entre o mais genuíno que a natureza tem para oferecer.

PERCURSO PEDESTRE

 SHAPEFILES

 PANFLETOS

image1image2

pdfPR1

pdfPR2

 image3image4

pdfPR3

pdfPR4

  image5image6

pdfPR5

pdfPR6

 Cuidados especiais e normas de conduta:

 – Seguir somente pelos trilhos sinalizados;
 – Evitar barulhos e atitudes que perturbem a paz do local;
 – Observar a fauna à distância, preferencialmente com binóculos;
 – Não danificar a flora;
 – Não abandonar o lixo, levando-o até um local onde haja serviço de recolha;
 – Fechar as cancelas e portelos;
 – Respeitar a propriedade privada;
 – Não fazer lume;
 – Não colher amostras de plantas ou rochas;
 – Ser afável com os habitantes locais.

 REVISTA  OUTDOOR

2014 Powered By Wordpress, Goodnews Theme By Momizat Team